Meu nome:

Minha foto
Um dia, resolvi fazer a brincadeira de ir revendo a vida desde que nasci, e fui contando assim, livremente, no ouvido de quem mais amo, a trajetória toda. Eles amavam em silêncio, a minha vida em capítulos. Com meus filhos, tenho a mais bela história de amor da minha vida. É uma mágica em que vamos tecendo um laço cada vez mais apertado. Eles dão sentido a minha vida. Eu dou sentido a vida deles. E então: somos felizes assim, um sendo a alma da vida do outro. Existem as diferenças, mas elas furam todas as ondas. Não interessa o que difere, interessa o que nos une e, juntos, vamos inteiros vida afora.

AFETO COM AÇÚCAR E CANELA

AFETO COM AÇÚCAR E CANELA
*Se alguma foto ou matéria publicada aqui no blog estiver em desacordo com os direitos de propriedade, por favor me envie um e-mail que farei a devida correção ou a retirarei do blog, fica a seu critério.*

ara onde quer que vá, vá de todo coração. (Confúcio)

"Olá, Diga Bom Dia com Alegria, Boa Tarde, sem Alarde, Boa Noite, sem Açoite ! E Viva a Vida, com Alegria e Fantasia..." (Lenine)

“As Pessoas Mais Felizes:

São Aquelas Que Não Têm

Nenhuma Razão Específica

Para Serem Felizes...

Exceto Pelo Fato Que Elas São.”


Para onde quer que vá, vá de todo coração. (Confúcio)









terça-feira, 10 de maio de 2011

Aviso da Lua que Menstrua


Moço, cuidado com ela!

Há que se ter cautela com essa gente que menstrua

Imagine uma cachoeira às avessas:

Cada ato que faz, o corpo confessa.

Cuidado, moço as vezes parece erva, parece hera

essa gente que se metamorfoseia

metade legível, metade sereia.

Barriga cresce, explode humanidades

E ainda volta pro lugar, aí é que está:

Cada palavra dita, antes de dizer, homem, reflita

Sua Boca maldita não sabe que cada palavra é ingrediente

Que vai cair no mesmo planeta panela.

Cuidado com cada letra que manda para ela!

Ta acostumada a viver por dentro,

Transforma fato em elemento

A tudo refoga, ferve, frita

Ainda sangra tudo no próximo mês.

Cuidado, moço, quando ce pensa que escapou

É que chegou a sua vez!

Porque eu sou muito sua amiga

É que to te falando "na vera"

Conheço cada uma, além de ser uma delas.

Você que saiu da fresta dela

Delicada força quando volta a ela.

Não vá sem ser convidado

ou sem os devidos cortejos

As vezes pela ponte de um beijo

Já se alcança a "cidade secreta"

A Atlântica Perdida.

Outras vezes várias

metidas e mais se afasta dela.

Cuidado, moço, porque você ter uma cobra entre as pernas

Cai na contradição de ser displicente

Diante da própria serpente.

Ela é uma cobra de avental.

Não despreze a meditação doméstica.

Da poeira do cotidiano

Que a mulher extrai filosofia

Cozinhando, costurando

E você chega com a mão no bolso

Julgando a arte do almoço: Eca!

Você que não sabe onde está a sua cueca?

Há, meu cão desejado

Tão preocupado em rosnar, ladrar e latir

Então esquece de saber e morder devagar

Esquece de saber curtir, dividir.

E aí quando quer agredir

Chama de vaca e galinha.

São duas dignas vizinhas do mundo daqui!

O que é que você tem pra falar de vaca?

O que você tem eu vou dizer e não se queixe:

VACA é sua mãe. De Leite.

Vaca e galinha

Ora, não ofende. Enaltece, elogia:

Comparando rainha com rainha

Óvulo, ovo e leite

Pensando que está agredindo

Que ta falando palavrão imundo.

Tá não homem,

Tá citando o principio do mundo.

(Luiza Lucinda)

Nenhum comentário:

Postar um comentário