Meu nome:

Minha foto
Um dia, resolvi fazer a brincadeira de ir revendo a vida desde que nasci, e fui contando assim, livremente, no ouvido de quem mais amo, a trajetória toda. Eles amavam em silêncio, a minha vida em capítulos. Com meus filhos, tenho a mais bela história de amor da minha vida. É uma mágica em que vamos tecendo um laço cada vez mais apertado. Eles dão sentido a minha vida. Eu dou sentido a vida deles. E então: somos felizes assim, um sendo a alma da vida do outro. Existem as diferenças, mas elas furam todas as ondas. Não interessa o que difere, interessa o que nos une e, juntos, vamos inteiros vida afora.

AFETO COM AÇÚCAR E CANELA

AFETO COM AÇÚCAR E CANELA
*Se alguma foto ou matéria publicada aqui no blog estiver em desacordo com os direitos de propriedade, por favor me envie um e-mail que farei a devida correção ou a retirarei do blog, fica a seu critério.*

ara onde quer que vá, vá de todo coração. (Confúcio)

"Olá, Diga Bom Dia com Alegria, Boa Tarde, sem Alarde, Boa Noite, sem Açoite ! E Viva a Vida, com Alegria e Fantasia..." (Lenine)

“As Pessoas Mais Felizes:

São Aquelas Que Não Têm

Nenhuma Razão Específica

Para Serem Felizes...

Exceto Pelo Fato Que Elas São.”


Para onde quer que vá, vá de todo coração. (Confúcio)









terça-feira, 31 de maio de 2011

O outubro que eu queria...



Este ano pedi minhas férias para Outubro. Porquê?-minha chefe perguntou. Você vai tirar em Julho ("e assim caminha a Humanidade")...eu queria explicar que queria voltar as raízes de minha infância...que Outubro é o mês das jabuticabas...que todos tem um ritual de chupar as jabuticabas no quintal ao pé da árvore. Queria explicar que quando alguém faz o convite para chupar jabuticaba na casa dele é a certeza de que um ato tão simples está recheado de significado afetivo e, claro, gastronômico. É um sinal de intimidade, pois a gente transpõe até mesmo a cozinha da casa para adentrar o quintal, com suas árvores, frutas e aconchego. Queria explicar pra ela que este é um programa considerado dos melhores, um dos momentos mais esperados, porquê em Outubro as jabuticabas estão mais doces, logo depois das primeiras chuvas da primavera. Queria explicar que são árvores centenárias que atravessam a gerações. São testemunhas da história das famílias. (afinal, gerações inteiras se divertiram contando casos e passando o dia felizes). Chupar jabuticaba no pé, lá nos fundos do quintal da casa, é mais do que apanhar quatro "mãozada" da fruta. é ficar um tempão pulando de um galho para outro, sempre atrás da maior, que parece olhos negros. Queria explicar pra "ela" do desejo que minha mãe tinha de chupar jabuticaba no pé...desejo que ela sempre manifestava...Sou urbana (nasci e me criei em SP (mas sou do mundo)e aqui é um lugar que considero um paraíso...(também pelas jabuticabas).Queria explicar que adoro estes rituais que mantêm viva a memória afetiva,mas de-fi-ni-ti-va-men-te...minha chefe não gosta de rituais, mesmo aqueles que nos tornam mais humanos, mais humildes. Só queria explicar pra ela, que dá pra sentir a vida se oferecendo, como um coração, pulsando..e então esperar mais um dia para desfrutar e viver melhor (bem melhor)...basta querer.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

terça-feira, 24 de maio de 2011

Perdas.


Todos precisam de um sentido para a vida (mais ainda quando se tem muitas perdas)... São perdas sociais, profissionais, familiares e afetivas. A gerontologia tem a proposta de otimizar ganhos, capacidade de reserva que todos têm em qualquer tempo da vida.

Nada melhor do que o texto do artista plástico Katsushika Hokusai (1760-1849), que diz:

"Desde os seis anos eu tinha mania de desenhar a forma dos objetos. Por volta dos 5o, havia publicado uma infinidade de desenhos, mas tudo o que produzi antes dos 60 não deve ser levado em conta. Aos 73, compreendi mais ou menos a estrutura da verdadeira natureza, as plantas, as árvores, os pássaros, os peixes e os insetos. Em consequência, aos 80 terei feito mais progresso, aos 90 penetrarei o mistério das coisas; aos 100, terei decididamente chegado a um grau de maravilha, e quando eu tiver 110 anos, para mim, seja um ponto, seja uma linha, tudo será vivo."

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Coisas que só uma mulher consegue...


_Passar a vida inteira lutando contra o próprio cabelo.
_Comprar uma blusa que não combina com nada, só porque o preço estava irresistível.
_Ser tratada feito idiota pelo mecânico da oficina.
_Fingir naturalidade durante um exame ginecológico.
_Reconhecer o poder de uma calça jeans para rediagramar a estrutura do corpo.
_Ter crise conjugal, crise existencial, crise de identidade,crise de nervos,TPM,etc.
_Ser mãe-solteira,mãe-casada,mãe-separada,mãe do marido,namorada.
_Depilar a perna de 15 em 15 dias, com cera QUENTE!
_Rasgar a meia na entrada da festa e fingir que ta tudo bem.
_Sentir-se pronta para conquistar o mundo, quando está usando um batom novo.
_Chorar no banheiro, se olhando no espelho para ver qual é o melhor ângulo.
_Achar que seu relacionamento acabou e depois descobrir que era tudo TPM.
_Nunca saber se é pra dividir a conta ou se é pra ficar meiguinha.
_Ficar completamente feliz porque ele ligou.
_Dizer não, só pra ele insistir bastante, e aí ter que dizer sim!
_Sorrir gentilmente para o chefe, enquanto uma cólica tortura-a como se fosse uma bazuca.
Depois de tudo isso, eu ainda não me conformo como tem homem que sonha e pede a Deus pra virar mulher!

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Eu Mulher...


Sou adrenalina, nitroglicerina, paz e pétala de flor (doce e perfumada). Maternal, ingênua, forte, amiga e honrada. Posso ser nobre e, ao mesmo tempo, muitas vezes ter que virar abóbora pra superar crises, esfregar o chão, cuidar da janta, ter cólica, ficar louca pela crise da TPM, levantar e mesmo assim ir trabalhar. Levar o dia a sério, atender pessoas (e "PESSOAS" *algumas c/ arhg!)...superar. Chorar. Mulher guerreira tem que saber cair e levantar. Parir e dps sorrir. Pois que venha o choro sempre que for necessário. Alguém disse (quem?) que é a linguagem dos sentimentos...eh!...o choro! e assim sigo esfuziante diante da vida...***

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Um dia viro semente...


Tenho o sorriso fácil...mas a felicidade é coisa rara, de frágeis e preciosos momentos. Amo o Zeca Pagodinho, mas tenho uma implicância danada com aquela música que diz:..."deixa a vida me levar...vida leva eu..." Quero sentir um sentido. A vida, o planeta, a diversidade religiosa etc. são assombros de tanto infinito. Mas permaneço no raso. Sem querer explorar o seu tempo e os seus insights.

Há pessoas que me julgam portadora para os impasses da vida. Mal sabem elas o quanto acumulo em minha trajetória. Contudo, sei o que é felicidade. Difere da alegria.. Felicidade é um estado de espírito, é estar bem consigo, com a natureza, com Deus.
Com os outros, nem sempre.
As relações humanas são amorosamente conflitivas. Invejas, mágoas, disputas, mal-entendidos são pedras no sapato. Uma pessoa pode ser feliz sem parecer alegre. E conheço muito que esbanjam alegria sem me convencer que são felizes.

Penso que nada torna uma pessoa mais feliz do que se empenhar em prol da felicidade alheia: isso vale tanto na relação intima quanto no compromisso social de lutar pelo "outro mundo possível", sem desigualdades gritantes e onde todos possam viver com dignidade e paz.

O direito a felicidade deveria constar na Declaração Universal dos Direitos Humanos. E os países não deveriam mais almejar o crescimento do PIB, e sim do FIB:

FELICIDADE INTERNA BRUTA.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Prestando atenção


Somos felizes quando somos livres.(Magda, libere-se nas emoções, nos sentimentos e nas finanças).

A vida é como o rádio e a TV: precisa ser sintonizada no positivo sempre!
(Magda, tudo é questão de vibração e energia).

Às vezes (mas só as vezes) o silêncio é a melhor resposta.

A ação nem sempre é a melhor atitude. (é vero?)

Tome um copo de água em jejum todos os dias. (ela ajuda a limpar as mágoas do corpo e da alma).

Evite usar o mesmo sapato todos os dias. (troque a energia sempre/sempre).

Perfume e cores que harmonizam lhe colocam no eixo e no equilíbrio. (saia da corda bamba).

Cultive o hábito de agradecer (aprenda a falar obrigado em todas as línguas *português, inglês, francês e japonês* eu já sei), pedir licença, falar bom dia (faça a sua parte) e SORRIR... (vc estará alegrando a essência do seu eu).

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Meu Mantra


Recuse-se a cair.
Se não puder se recusar a cair,
recuse-se a ficar no chão.
Se não puder se recusar a ficar no chão,
eleve o coração aos céus
e, como um mendigo faminto,
peça que o encham,
e ele será cheio.
Podem empurrá-lo para baixo.
Podem impedi-lo de se levantar.
Mas ninguém pode impedi-lo
de elevar seu coração
aos céus -
só você.
É no meio da aflição
que tantas coisas ficam claras.
Quem diz que nada de bom
resultou disso
ainda não está escutando.

Clarissa Pinkola Estés

terça-feira, 10 de maio de 2011

Aviso da Lua que Menstrua


Moço, cuidado com ela!

Há que se ter cautela com essa gente que menstrua

Imagine uma cachoeira às avessas:

Cada ato que faz, o corpo confessa.

Cuidado, moço as vezes parece erva, parece hera

essa gente que se metamorfoseia

metade legível, metade sereia.

Barriga cresce, explode humanidades

E ainda volta pro lugar, aí é que está:

Cada palavra dita, antes de dizer, homem, reflita

Sua Boca maldita não sabe que cada palavra é ingrediente

Que vai cair no mesmo planeta panela.

Cuidado com cada letra que manda para ela!

Ta acostumada a viver por dentro,

Transforma fato em elemento

A tudo refoga, ferve, frita

Ainda sangra tudo no próximo mês.

Cuidado, moço, quando ce pensa que escapou

É que chegou a sua vez!

Porque eu sou muito sua amiga

É que to te falando "na vera"

Conheço cada uma, além de ser uma delas.

Você que saiu da fresta dela

Delicada força quando volta a ela.

Não vá sem ser convidado

ou sem os devidos cortejos

As vezes pela ponte de um beijo

Já se alcança a "cidade secreta"

A Atlântica Perdida.

Outras vezes várias

metidas e mais se afasta dela.

Cuidado, moço, porque você ter uma cobra entre as pernas

Cai na contradição de ser displicente

Diante da própria serpente.

Ela é uma cobra de avental.

Não despreze a meditação doméstica.

Da poeira do cotidiano

Que a mulher extrai filosofia

Cozinhando, costurando

E você chega com a mão no bolso

Julgando a arte do almoço: Eca!

Você que não sabe onde está a sua cueca?

Há, meu cão desejado

Tão preocupado em rosnar, ladrar e latir

Então esquece de saber e morder devagar

Esquece de saber curtir, dividir.

E aí quando quer agredir

Chama de vaca e galinha.

São duas dignas vizinhas do mundo daqui!

O que é que você tem pra falar de vaca?

O que você tem eu vou dizer e não se queixe:

VACA é sua mãe. De Leite.

Vaca e galinha

Ora, não ofende. Enaltece, elogia:

Comparando rainha com rainha

Óvulo, ovo e leite

Pensando que está agredindo

Que ta falando palavrão imundo.

Tá não homem,

Tá citando o principio do mundo.

(Luiza Lucinda)

Felicidade, sim....


"A Felicidade", de tom e Viniciús, sempre ensinou que tristexza não tem fim, felicidde, sim. Que felicidade é como a gota de orvalho numa pétala de flor: a gente trabalha o ano inteiro, verte a fantasia de rei, pirata ou jardineira pra tudo se acabar na quarta feira. Se bem que agora tudo acaba mesmooo é no d.o.m.i.n.g.o (sou brasileiraaaaa com muitooo orgulhooooo..rsrs)

segunda-feira, 9 de maio de 2011

João e Maria


...pela lei "João e Maria" a gente é obrigado a ser feliz(?)

Quem sabe das coisas Luis Fernando (verissimo como sempre)que dá sua eceita:

"Felicidade é quando o último canapé da bandeja sobra pra você. É quando você sacode a lata e ainda tem - *cerveja! É encontrar vaga no estacionamento depois de uma volta só. É o dentista telefonar para desmarcar a hora. É ao contrário do que você sempre pensou, a felicidade não é viver uma grande paixão, é ter alguém para coçar as suas costas". A gente era feliz e sabia que não sabia.

sábado, 7 de maio de 2011

Eu Mãe...









Ofereço aos meus filhos:

BONDADE - SABEDORIA E ALEGRIA.
Sabedoria para não se perderem de si durante a caminhada e para não deixarem de acreditar em si mesmos quando as noites forem longas demais. Mas sabedoria, sobretudo, para não esquecerem nunca o caminho de casa.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

O amor não acaba, nós é que mudamos


"Um homem e uma mulher vivem uma intensa relação de amor, e depois de alguns anos se separam, cada um vai em busca do próprio caminho, saem do raio de visão um do outro. Que fim levou aquele sentimento? O amor realmente acaba?

O que acaba são algumas de nossas expectativas e desejos, que são subtituídos por outros no decorrer da vida. As pessoas não mudam na sua essência, mas mudam muito de sonhos, mudam de pontos de vista e de necessidades, principalmente de necessidades. O amor costuma ser amoldado à nossa carência de envolvimento afetivo, porém essa carência não é estática, ela se modifica à medida que vamos tendo novas experiências, à medida que vamos aprendendo com as dores, com os remorsos e com nossos erros todos. O amor se mantém o mesmo apenas para aqueles que se mantém os mesmos.

Se nada muda dentro de você, o amor que você sente, ou que você sofre, também não muda. Amores eternos só existem para dois grupos de pessoas. O primeiro é formado por aqueles que se recusam a experimentar a vida, para aqueles que não querem investigar mais nada sobre si mesmo, estão contentes com o que estabeleceram como verdade numa determinada época e seguem com esta verdade até os 120 anos. O outro grupo é o dos sortudos: aqueles que amam alguém, e mesmo tendo evoluído com o tempo, descobrem que o parceiro também evoluiu, e essa evolução se deu com a mesma intensidade e seguiu na mesma direção. Sendo assim, conseguem renovar o amor, pois a renovação particular de cada um foi tão parecida que não gerou conflito.

O amor não acaba. O amor apenas sai do centro das nossas atenções. O tempo desenvolve nossas defesas, nos oferece outras possibilidades e a gente avança porque é da natureza humana avançar. Não é o sentimento que se esgota, somos nós que ficamos esgotados de sofrer, ou esgotados de esperar, ou esgotados da mesmice. Paixão termina, amor não. Amor é aquilo que a gente deixa ocupar todos os nossos espaços, enquanto for bem-vindo, e que transferimos para o quartinho dos fundos quando não funciona mais, mas que nunca expulsamos definitivamente de casa."

terça-feira, 3 de maio de 2011

O quintal


O quintal da minha casa era um pedacinho do Jardim do Éden. Criança, nele eu identificava um misto de mini floresta e parque de diversões. Subia em árvore, brincava no chão, fazia corrida com as minhocas, desenhava com as nuvens, andava descalço, bancava a Jane, tomava banho de mangueira, construía rios nas poças deixadas pela chuva.
Agora, parece, o mundo encolheu.Poucas crianças já viu ovo de galinha se abrir para o pintinho sair,cadela dar à luz, tartaruga se arrastar, restos de alimentos serem aproveitados como adubo.
O quintal era o meu mundo. Ali,minha fantasia desdobrava-se em cabanas, gangorra pendurada no galho, minipiscina improvisada. Dali meus irmãos soltavam quadrados(pipas)e ali brincavamos de amarelinha, bolinha de gude, bater figurinhas, queimada. De consumo apenas, madeiras, papel, cola, tesoura, retalhos. E todo o resto vinha da nossa criativa imaginação e capacidade de improviso...(momento s.a.u.d.a.d.e)