Meu nome:

Minha foto
Um dia, resolvi fazer a brincadeira de ir revendo a vida desde que nasci, e fui contando assim, livremente, no ouvido de quem mais amo, a trajetória toda. Eles amavam em silêncio, a minha vida em capítulos. Com meus filhos, tenho a mais bela história de amor da minha vida. É uma mágica em que vamos tecendo um laço cada vez mais apertado. Eles dão sentido a minha vida. Eu dou sentido a vida deles. E então: somos felizes assim, um sendo a alma da vida do outro. Existem as diferenças, mas elas furam todas as ondas. Não interessa o que difere, interessa o que nos une e, juntos, vamos inteiros vida afora.

AFETO COM AÇÚCAR E CANELA

AFETO COM AÇÚCAR E CANELA
*Se alguma foto ou matéria publicada aqui no blog estiver em desacordo com os direitos de propriedade, por favor me envie um e-mail que farei a devida correção ou a retirarei do blog, fica a seu critério.*

ara onde quer que vá, vá de todo coração. (Confúcio)

"Olá, Diga Bom Dia com Alegria, Boa Tarde, sem Alarde, Boa Noite, sem Açoite ! E Viva a Vida, com Alegria e Fantasia..." (Lenine)

“As Pessoas Mais Felizes:

São Aquelas Que Não Têm

Nenhuma Razão Específica

Para Serem Felizes...

Exceto Pelo Fato Que Elas São.”


Para onde quer que vá, vá de todo coração. (Confúcio)









terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Magda, li este texto da Clarice e me lembrei de você...* *Não é lindo?* Bj*

(Quem me mandou foi minha linda e doce irmã Mª Celina! Irmã? Te amo...)
*Minha vida me quer escritor e então escrevo. Não é por escolha: é íntima ordem de comando. Sinto em mim uma violência subterrânea, violência que só vem à tona no ato de escrever. *Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente a minha própria vida.*Eu vou me acumulando, me acumulando,me acumulando —até que não caibo em mim e estouro em palavras.*Estou escrevendo porque não sei o que fazer de mim. *Eu escrevo e assim me livro de mim e posso então descansar.*
*Não agüento o cotidiano. Deve ser por isso que escrevo*
*EU não escrevo por querer, não. Eu escrevo porque preciso. *
*Senão o que fazer de mim? Eu não existiria se não houvesse palavras.*

*(Clarice Lispector- Fragmentos do Livro Um Sopro de Vida
)*

Nenhum comentário:

Postar um comentário